Notícias

Apoio comemora 44 anos de fundação com mais de 19 mil obras projetadas pelo Brasil

A Apoio Assessoria e Projeto de Fundação, associada à ABEG, foi uma das primeiras empresas de projeto de fundações e consultoria em engenharia geotécnica fundadas no país. Em outubro de 2021, a Apoio completará 44 anos de fundação com mais de 19 mil obras projetadas pelo país em seu portfólio. E segue trabalhando em bom ritmo, apesar da pandemia. 

O sucesso da empresa fundada pelos engenheiros José Luiz de Paula Eduardo e Alberto Collier Vianna muito tem a ver com o bom relacionamento com os clientes e potenciais clientes, de acordo com José Luiz. Entram nessa soma o rigor técnico, que baseia todos os projetos elaborados pela Apoio, e uma equipe qualificada e engajada com a qualidade dos trabalhos.

Apesar de a atuação da Apoio estar mais presente no setor imobiliário, projetando fundações de condomínios e residências de alto padrão, a empresa atende clientes de setores variados da indústria, do varejo e de outros segmentos, com exceção do setor público. 

“Já projetamos, por exemplo, caixas d’água, silos, shoppings, torres de transmissão, aerogeradores, hospitais, centenas de agências bancárias, várias unidades de grandes redes de fast-food”, comenta José Luiz. “Costumo dizer que projetamos até casinha de cachorro se for de alto padrão”, brinca o diretor.

Cumprindo com as determinações da Norma ABNT NBR 6122:2019 - Projeto e execução de fundações, a Apoio também realiza auditoria sobre projetos de fundações de empresas da mesma área. 

 

 

 


“A Apoio é uma grande escola”

Na Apoio, é comum que estagiários façam suas carreiras na empresa, tornando-se engenheiros e acumulando grande experiência na área de fundações pela Apoio. E isso é uma característica da qual os diretores se orgulham. “A Apoio é uma grande escola”, diz José Luiz. 

Para o diretor, tão importante quanto a formação acadêmica do profissional é o comprometimento com o trabalho, a ética e a vontade de aprender. 

 

Valorização das empresas deve partir de ‘dentro’

José Luiz, que também é vice-presidente da ABEG, acredita que a valorização das empresas projetistas irá acontecer também quando as próprias empresas adotarem essa condição como cultura. Isto porque, segundo ele, é comum que algumas empresas participem de concorrências oferecendo valores irrisórios por seus serviços.

“Em 2014, a ABEG disponibilizou uma tabela de honorários que até hoje serve de base para todas as empresas do setor”, explica. “Mesmo assim, ainda existem empresas que oferecem serviços por valores muito abaixo dessa tabela”.

Segundo ele, propor honorários tão baixos é uma prática desnecessária, uma vez que o número de empresas que projetam fundações em São Paulo, por exemplo, não é tão grande em comparação às empresas de engenharia geotécnica que atuam em outras frentes. 

“Mesmo defasada, os valores recomendados na tabela de honorários elaborada pela ABEG são perfeitamente justificáveis na hora de elaborar propostas”, diz José Luiz. “Cobrar tão pouco para trabalhar tanto não vale a pena”. 

 

Os fundadores

José Luiz de Paula Eduardo é formado em engenharia civil pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Possui pós-graduações em Estruturas e distribuição das ocorrências de solo, Estabilização de taludes rochosos e Obras subterrâneas profundas pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP). Possui também certificação em Hidrologia (Mackenzie), Conceito e soluções práticas para os problemas de fundações (Instituto de Engenharia), Fundações de Edifícios e Teoria e prática do rebaixamento do nível d’água (Poli-USP e IPT). Foi professor na cadeira de Mecânica dos Solos e Fundações na Faculdade de Arquitetura da Universidade Mackenzie e lecionou, ainda, na cadeira de Fundações para a Faculdade de Engenharia da mesma instituição. É um dos professores do curso de pós-graduação da Escola de Engenharia Mauá, onde dá aulas sobre fundações. Já deu palestras na Escola de Engenharia de São Carlos e liderou programas de treinamento para engenheiros em construtoras. Participou também como professor em vários cursos pelo Sinduscon São Paulo e Minas Gerais. Foi presidente da ABEG e hoje é vice-presidente da entidade. 

Alberto Collier Vianna também é engenheiro civil formado pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Possui pós-graduações em Tensões e Deformações de Solos, Obras Subterrâneas Profundas e Mecânica das Rochas pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP). Também é certificado pelos cursos “Fundações de Edifícios” e “Teoria e Prática do rebaixamento do nível d’água” realizados pela Poli-USP e pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT). 

(Imagem: aapsky/iStock.com)

 

Abr 07 2021

Luciano Décourt apresenta palestra sobre fundações em solos lateríticos no dia 14/4, às 17h

Com o apoio da ABEG, o Portal da Geotecnia receberá o engenheiro Luciano Décourt para apresentar a palestra “Fundações em Solos Lateríticos – Novas considerações”. O secretário-geral da ABEG, Antônio Sérgio Damasco Penna, também participará do evento. O encontro está marcado para o dia 14/4, às 17h, e será transmitido ao vivo no canal do Portal da Geotecnia no YouTube.

Luciano Décourt é engenheiro civil pela Poli-USP e pós-graduado pela Poli-USP e pela Universidade de Harvard (EUA). Ele é o autor do trabalho que, há mais 20 anos, definiu o estado da arte do ensaio SPT (Standard Penetration Test) e que é parâmetro para o dimensionamento de fundações.

Após a palestra, serão discutidos os ensaios complementares com a participação de José Maria de Camargo Barros, Otávio Coaracy Brasil Gandolfo e Antônio Sérgio Damasco Penna, que abordarão a execução e a interpretação dos ensaios complementares: correlação Go e NSP, Cross Hole e dilatômetro sísmico de Marchetti (SDMT).

O evento também conta com o apoio do Núcleo Regional São Paulo da ABMS, da ABEF e da ABGE.

Assista através do link: https://youtu.be/3OTzN_uDCHU.

(Imagem: Ridofranz/iStock.com)

Abr 05 2021

APPOGEO investe em estudos de viabilidade de negócios para se destacar no mercado

A APPOGEO, associada à ABEG, tem como especialidade a prestação de serviços de consultoria geotécnica e de projetos de fundações, contenções e terraplenagem para diferentes setores – indústria, varejo, imobiliário, programas de habitação popular etc. em âmbito nacional. A empresa já atendeu empresas em mais de 20 estados brasileiros. Nos últimos anos, destacou-se também em razão de um serviço cada vez mais demandado por seus clientes: a análise de viabilidade dos negócios.

Mar 26 2021

FC Projetos vê demanda por projetos crescer mesmo durante a pandemia. Assista ao vídeo

A pandemia de covid-19 que se instaurou em março de 2020 preocupou todos os setores da economia. Considerada atividade essencial logo no início da pandemia, a construção civil amargou mesmo assim queda de 7% no ano passado, como revelaram os dados do PIB, divulgados em 3/3. No entanto, essa queda não foi igual para todas as regiões do país e não afetou igualmente todos os setores. A queda foi puxada pelo setor de infraestrutura, que não recebeu novos investimentos.

No entanto, muitas obras, especialmente no setor imobiliário, seguiram em bom ritmo. Segundo o IBGE, as chamadas “atividades imobiliárias” registraram crescimento de 3,5% em 2020. A FC Projetos e Consultoria de Fundações, associada à ABEG, foi uma das empresas que se adaptaram bem ao novo cenário. E não apenas deu continuidade aos trabalhos em andamento, como viu acelerar as demandas por projetos.

Fundada em 2016, a FC Projetos é dirigida por Alexandre Carbone e Luciano Finelli, ambos engenheiros. Atendendo principalmente construtoras, incorporadoras e escritórios de arquitetura, a empresa presta serviços para obras residenciais e comerciais por todo o país e realiza projetos de fundações, contenções, terraplenagem e outros serviços complementares, como projetos de drenagem, de pavimentação, pareceres técnicos e avaliações técnicas de projetos geotécnicos conforme previsto pela Norma Brasileira de Fundações NBR6122.

Em entrevista concedida à ABEG, os diretores da FC Projetos contam como têm enfrentado o período da pandemia. E comentam sobre a necessidade de valorização das empresas de projetos e de consultoria de fundações.

Trabalho durante a pandemia

Para Finelli, os primeiros meses de quarentena foram preocupantes em razão das incertezas que o momento trazia. “Mas, tão logo a construção civil foi decretada como atividade essencial, vimos que as obras não iam parar”, conta o diretor. “Não apenas o trabalho teve sequência como novos projetos começaram a surgir. Tivemos até que aumentar a equipe para dar conta da demanda. Apesar de tudo, 2020 foi um ano bom para a FC Projetos”.

Os diretores contam que, assim que a pandemia se instaurou, a FC Projetos já estava preparada para migrar o trabalho para o “home office”. Toda a equipe de projetistas já trabalhava com arquivos “em nuvem”, ou seja, hospedados em plataformas online. A equipe também carregava consigo backups de todos os trabalhos.

O atendimento em obras permanece sendo feito de forma presencial – com a adoção de todos os cuidados necessários para garantir a segurança dos profissionais.

“A pandemia nos ensinou a trabalhar de um jeito um pouco diferente, mas não houve nenhum impacto na produção nem na qualidade do trabalho prestado”, garante Carbone.

 

Nem sempre o projeto é valorizado como deveria

Finelli conta que há uma cultura antiga e persistente de desvalorização do projeto de fundações e de contenções. “Muitas construtoras investem muito mais nos serviços de estética, naquilo que vai ficar aparente na obra”, diz o diretor. “Como o nosso trabalho fica ‘enterrado’, há uma dificuldade entre as contratantes de entenderem os valores cobrados pelo projeto de fundações”. (Foto: FC Projetos/Divulgação)

De acordo com os diretores, esses serviços precisam ser bem remunerados de forma justa por dois motivos. O primeiro é que o projeto de fundações e de contenções garante a integridade e a segurança do empreendimento. Não pode, por conta disso, ser contratado considerando apenas o preço.

O segundo motivo é que o valor pago por esses projetos também retorna à empresa como investimento. “Procuramos valorizar o nosso trabalho para que também possamos aprimorar os serviços que oferecemos, investindo no conhecimento técnico da nossa equipe e na aquisição de softwares importantes para a nossa especialidade, por exemplo”, conta Carbone.

“A FC Projetos, inclusive, segue as recomendações da ABEG na hora de precificar os honorários”, revela o diretor. “E compartilhamentos integralmente com a ideia de que é necessária uma maior valorização da nossa área”.


Diferenciais da FC Projetos

Um grande diferencial da empresa, de acordo com os diretores, é a capacidade de prestar um atendimento rápido e eficiente de acordo com o perfil de cada contratante. “A empresa busca ser flexível para atender às necessidades e às exigências de cada cliente, tanto durante a consultoria como na definição das soluções”, declara Carbone.

Ele acredita que um bom projetista precisa apresentar uma gama maior de soluções para que o cliente possa definir qual delas é a melhor para a sua obra. “É comum indicarmos mais de uma solução técnica possível para cada demanda, considerando a complexidade e também outros aspectos, como a oferta de executores, os prazos indicados pelo cliente, dentre outros”, afirma.

Outro grande diferencial da empresa é a modelagem em 3D dos seus projetos. Em função da necessidade e exigência de alguns clientes, os diretores investiram em cursos e tecnologia, para deixar a sua equipe de projetos preparada para estes trabalhos.

 

Os diretores

Alexandre Carbone é engenheiro civil há 25 anos. Teve seu primeiro contato com a geotecnia durante as obras de duplicação da Rodovia dos Imigrantes, quando executou as fundações dos viadutos. A partir disso, passou a atuar cada vez mais na área geotécnica. Começou a projetar e a prestar consultoria de fundações por vários anos até que, em 2016, fundou a FC Projetos com o engenheiro Luciano Finelli. Carbone também é professor no curso de Engenharia Civil da UNIP, onde dá aulas sobre mecânica dos solos, fundações profundas, obras de terra, pontes e grandes estruturas.

Luciano Finelli, engenheiro civil há 26 anos, teve contato com a geotecnia durante a graduação em engenharia civil, época em que foi estagiário em outras empresas especialistas em projetos geotécnicos e ensaios laboratoriais. Ao se graduar, foi convidado a trabalhar na empresa de seu professor de fundações. E lá atuou por quase 20 anos, antes de fundar a FC Projetos ao lado de Carbone.

 

(Imagem: flukyfluky/iStock.com)

Mar 24 2021

Divulgar empresas associadas é valorizar o trabalho de projetistas e consultores, diz Milton Golombek

Os honorários pagos às empresas que projetam fundações e contenções são ínfimos perto da importância que esses projetos representam para a segurança da obra. Essa é uma realidade que precisa ser mudada.

Mar 16 2021

Profissionalismo e generosidade marcaram a vida de Marcos Lima Verde Guimarães, da MAG Projesolos

Marcos Lima Verde Guimarães era um amigo leal, um profissional experiente e dedicado e, acima de tudo, uma pessoa de grande generosidade.

Mar 11 2021

ABEG comunica e lamenta o falecimento do engenheiro Marcos Lima Verde Guimarães

A ABEG comunica e lamenta profundamente o falecimento do engenheiro Marcos Lima Verde Guimarães, diretor da MAG Projesolos Engenheiros Associados, falecido neste sábado (6/3). Ao longo de sua vida e de sua trajetória profissional ele alcançou conquistas expressivas e contou sempre com o respeito de seus colegas e pares.

O velório será realizado neste domingo (7/3) a partir das 15h, com sepultamento às 16h, no Cemitério Gethsêmani, localizado na Praça da Ressurreição, 1 - Vila Sônia, São Paulo.

A ABEG solidariza-se com os familiares e amigos deste grande engenheiro.

 

(Imagem: oatawa/iStock.com)

Mar 07 2021

5º Congresso Brasileiro de Túneis e Estruturas Subterrâneas será realizado de 1 a 4 de dezembro, em São Paulo

O 5º Congresso Brasileiro de Túneis e Estruturas Subterrâneas (5º CBT) será realizado de 1 a 4 de dezembro de 2021, no Centro de Convenções Frei Caneca, em São Paulo. O evento é organizado pelo Comitê Brasileiro de Túneis (CBT). No mesmo período e local, acontece também o Seminário Internacional Latin American Tunnellig – LAT 2021. O tema desta edição do Congresso é “Inovando em obras subterrâneas para um futuro melhor”.

O evento reunirá nomes conceituados da indústria de túneis e as principais empresas do setor. Serão abordados 12 temas fundamentais para os profissionais da área de estruturas subterrâneas. Acompanhe as novidades em: https://5cbt.tuneis.com.br/ 


Submissão de resumos

Está aberto o período de submissão de resumos de artigos a serem apresentados durante o evento. O prazo para a submissão de resumos termina no dia 28 de fevereiro. Todas as orientações estão disponíveis no site do 5º CBT, clicando aqui.

Apresente seu resumo e torne acessível a especialistas consagrados e a empresas do setor tuneleiro. Não perca!

(Imagem: millann/iStock.com)

Fev 18 2021

Grande profissional da geotecnia, engenheiro Renato Armando Silva Leme falece em São Paulo

É com pesar que a ABEG comunica o falecimento do engenheiro Renato Armando Silva Leme, ocorrido em 7/2. Fundador da Silva Leme Engenharia, Renato Leme foi um importante especialista em projetos geotécnicos e muito contribuiu para a área. Foi também professor na Faculdade de Engenharia de Barretos e ministrou dezenas de cursos e palestras, compartilhando seu conhecimento sobre contenções, estabilização de taludes e drenagem em empresas, institutos e escolas de engenharia por todo o país. 

O engenheiro foi autor de dois livros importantes da área geotécnica: “Dicionário de Engenharia Geotécnica Inglês-Português” (1977, 1980) e “Métodos Atuais de Estabilização de Taludes” (1987, 1993). E também atuou como revisor técnico do livro “Estruturas de Fundações”, de Marcelo da Cunha Moraes.

A ABEG presta as mais sinceras condolências à família e aos amigos deste grande profissional. 

 

Fev 17 2021

Com projeto de fundações desafiador, Apoio leva segunda edição do Prêmio ABEG Sigmundo Golombek

A empresa Apoio – Assessoria e Projetos de Fundações foi a vencedora da segunda edição do Prêmio ABEG Sigmundo Golombek. O Prêmio reconheceu o trabalho “Projeto de fundações do Edifício Haus Mitre Butantã” como o melhor projeto de fundações apresentado em 2019 à ABEG. 

Fev 05 2021